Buscar
  • estarcomunicacao

Agnes Nunes

Afeto na ponta dos dedos


No seu décimo segundo Dia das Crianças, Agnes pediu um celular à mãe. Talvez, com o aparelho, as meninas que a chamavam de “carvão” na escola pudessem olhá-la com outros olhos. Dona Cida acatou o pedido, mas preferiu dar outro tipo de presente à filha. Ao invés de tentar mudar a cabeça das crianças, um teclado abriria um novo mundo de música e poesia para aquela menina de cabelos black. Eles cresceram juntos – ela e o instrumento. E o quartinho em Sousa, município no sertão da Paraíba, se tornou pequeno para os dois.


Agnes Nunes nasceu em Feira de Santana, na Bahia, mas se mudou bem cedo para a casa da avó, em Jericó, também no interior da Paraíba. Cida ainda estava terminando os seus estudos em Assistência Social e, por isso, morria de medo de dar o primeiro celular à filha e não ter tempo de filtrar o conteúdo da internet. Só em 2015, com 14 anos, que Agnes conseguiu criar um Instagram e publicar o seu primeiro vídeo cantando – escondida da mãe. Em 2017, abriu uma conta no YouTube e postou o cover de “4 da Manhã”, do grupo UM44K, que soma mais de meio milhão de visualizações na plataforma hoje.


O sotaque de vogais abertas atravessou fronteiras e chegou em artistas que se encantaram com a voz doce de Agnes. Caetano Veloso, Bruno Gagliasso, Gisele Bündchen, Lázaro Ramos, Selton Mello e muitas outras personalidades compartilharam os seus covers nas redes sociais. Em 2019, ela já estava dividindo palco com uma das suas principais influências na música popular brasileira: Chico César; participando da gravação do DVD “Elba 40 anos”, de Elba Ramalho; e fazendo o seu primeiro show no exterior, esgotando os ingressos de duas noites em Angola.


O isolamento de 2020 também não conseguiu desacelerar o seu crescimento. A cantora lançou o seu EP “Romaria”, em que canta sobre a aventura de se relacionar em tempos líquidos e os encontros e desencontros da vida em quatro grandes metrópoles mundiais - “São Paulo”, “Lisboa”, “Rio” e “Hiroshima”; participou da live “Clássicos do Samba”, ao lado de Seu Jorge e Elza Soares, com o intuito de arrecadar alimento para os mais afetados da pandemia; e também abriu o novo álbum “Zodíaco”, do rapper Xamã, com a faixa “Escorpião”, que já conta com 6 milhões de visualizações em seu clipe.


Com 18 anos, 2,6 milhões de seguidores no Instagram e mais de 200 milhões de streamings nas plataformas de música, Agnes tem maturidade de veterana. E por trás da fama e da cor da pele que lhe acusaram logo cedo, a menina preserva o avesso, o afeto, aquilo que ninguém vê, mas que transborda pelos dedos e se transforma em música sob o teclado.


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo